sábado, abril 24, 2010


Na foto, só alegria. Não havia dúvidas maiores. Todas iguais, unidas. Ninguém pode dizer na foto quem tem mais sorte no amor, quem tem mais sorte no jogo, quem é cadeirante, quem gosta de cachorro, quem é a mais falante, a mais doidinha.
Apenas éramos. E assim, éramos felizes.

quinta-feira, abril 22, 2010

Mega Não pela liberdade Eleitoral na Web


Achei isso num blog e decidi postar aqui.

Muito embora eu não possua pretensões de fazer propaganda política de candidato algum no meu blog, eu acho válido que exista essa liberdade, para quem queira. E mais, essa prerrogativa de usar a internet em campanhas é fundamental para quem quer se informar sobre seus candidatos por todas as mídias possíveis. Ou vc tem mesmo que obrigar um ser humano a assistir o horário eleitoral gratuito?

Portanto, aí vai o link, para quem quiser saber mais. Pode clicar que é seguro.



sábado, abril 17, 2010

Eu quero mudar muito do que me cerca.
Não quero ver minha cidade alagada e engarrafada, ao mesmo tempo em que, da janela, enxergo todo o abismo social. Que fere meus olhos, pelo menos. Que me faz querer me desculpar pelo que sou e não tenho culpa. Me desculpando por ser, também, FDP.
Não quero ficar em casa, desejando ardentemente a paz. Paz completa, paz de quem não se altera por besteiras. Paz de quem sabe que, a qualquer momento, virá ao seu encontro um FDP com palavras extremamente desnecessárias e cortantes. Quero FDP's distantes de mim. Para sempre. Quero não ser FDP de ninguém. Não quero achar a chuva FDP, ela faz seu caminho, seu ciclo. FDP são aqueles que impedem ela de seguir, e a deixa estagnada.
Os mesmos, talvez, que tornam os locais inacessíveis e fazem parecer que minha deficiência é a total FDP da vez. Tá, eu sei que ela é. Mas se os empreendimentos seguissem o rumo certo das coisas, cumprissem com a Acessibilidade, a FDPtice dela não faria tanta diferença, faria?
A vida é cheia de FDP empatando os rumos, os caminhos, o progresso. E não se muda voltando. Só se pode mudar seguindo. Do que me armar para tirar os FDP do caminho?

"Tenho as mãos atadas ao redor do meu pescoço."

segunda-feira, abril 05, 2010

Carro, roupa, cadeira, mesa, ônibus, céu, esquilo, luz e azul. Tentamos dar nome à todas as coisas. Mas, porfavor, tenha em mente, sempre, que nem tudo dá para definir, com meia dúzia de caracteres.
Não aponte, com toda a certeza, para dentro de mim, como se você conseguisse ver tudo, claramente, e diga: "Olha, isso aqui que você tá sentindo é solidão."
Porque o ditado "aparências enganam" deve estar umbilicalmente ligado ao sentimento. Eu não sei o que eu sinto, não é você quem vai saber.
Nem me diga que é mais fraco meu amor porque ele critica. Ele critica, sim, por estar cansado de vê-la errando. E levando todo mundo embora. E, em outro momento, não diga que ele se enfraquece porque me calo. Sabe, esse amor também cansa de falar.

"Ouça, não defina.
Sinta, não me desminta"