segunda-feira, abril 05, 2010

Carro, roupa, cadeira, mesa, ônibus, céu, esquilo, luz e azul. Tentamos dar nome à todas as coisas. Mas, porfavor, tenha em mente, sempre, que nem tudo dá para definir, com meia dúzia de caracteres.
Não aponte, com toda a certeza, para dentro de mim, como se você conseguisse ver tudo, claramente, e diga: "Olha, isso aqui que você tá sentindo é solidão."
Porque o ditado "aparências enganam" deve estar umbilicalmente ligado ao sentimento. Eu não sei o que eu sinto, não é você quem vai saber.
Nem me diga que é mais fraco meu amor porque ele critica. Ele critica, sim, por estar cansado de vê-la errando. E levando todo mundo embora. E, em outro momento, não diga que ele se enfraquece porque me calo. Sabe, esse amor também cansa de falar.

"Ouça, não defina.
Sinta, não me desminta"

Um comentário: