sábado, janeiro 09, 2010

Tem uns dias que eu descobri que eu não escrevo no blog porque eu quero escrever demais, minunciosamente.
Como não é nada muito importante isso aqui, vou passar a escrever mais. Pra vomitar as milhares de coisas que zanzam na minha cabeça e me irritam profundamente.

Eu já estava angustiada com o fato de que eu estou me tornando uma pessoa extremamente intolerante. Mas, como sempre faço, nem sempre acertadamente, procurei algo pra justificar: a Experiência.
Sim, por mais que as pessoas digam que, à medida que você vai envelhecendo, você fica mais sábio, mais comedido pela luz da experiência, eu acredito que você passa a ver a vida com cada dia mais desprezo e intolerância.
Se você passou por uma experiência ruim com gatos, por exemplo, você tem uma chance boa de não criar uma visão errada deles eternamente, vez que há a possibilidade da próxima experiência ser boa.
Agora, se você já conheceu milhares de gatos, desde os mais recomendados pelos amigos, grandes ou pequenos, feios ou bonitos, domesticados ou de rua e todos eles foram só atestando que gato é tudo igual, que a experiência negativa da primeira vez é algo que se repete, então você se torna irremediavelmente intolerante.
Você, do alto de sua rabugentice progressiva, dirá: "Não me venham com gatos, eles não prestam. Eles são arredios, eles se lambem* ou seja lá qual foi o defeito felino que você encontrou* não gosto"
É assim que eu me sinto. Minha rabugentice progredindo geometricamente. Porque as minhas experiências só me trazem a certeza de que as coisas se repetem. Certas pessoas sempre casarão com certos comportamentos. Certos lugares sempre trarão certas lembranças. Certas idéias sempre viverão nas cabeças de certas pessoas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário