segunda-feira, fevereiro 01, 2010

Desejo

Se me sinto inerte, não posso atribuir a falta de atividade dentro de mim.

Internamente, tudo quero, espero e cogito se posso.
Quero ter tudo que posso e nunca fiz. Quero querer cada vez mais forte até conseguir. Quero estar perto, sempre e mais do que nunca, do que me faz forte. Enquanto caminho, ainda que a passos de formiga e sem vontade, para longe do que me faz ser o que não quero mais.
Sobretudo, quero desejar. Quero nunca mais deixar de acreditar. Continuar no querer intenso, porque dele se alimenta todas as outras coisas que nos fazem caminhar.
E se caminhar não posso, quero querer caminhar, e todas as suas consequencias. Para que, de tanto querer, um dia possa chegar à fonte dos meus desejos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário